VOLTAR

Processo de licenciamento para a obra foi coletânea de erros

FSP, Mercado, p. B6
Autor: ANGELO, Claudio
23 de mar de 2011

Processo de licenciamento para a obra foi coletânea de erros

Claudio Angelo
De Brasília

A revolta dos trabalhadores de Jirau é apenas a previsível coroação da série de erros cometidos no processo de licenciamento. Primeiro, o componente humano nem mesmo figurava no primeiro termo de referência do Ibama para os estudos de impacto.
Depois houve a desautorização pública, pelo governo, de pareceres técnicos do Ibama contrários às obras. Em seguida, o que o ambientalista Roberto Smeraldi chama de "licença móvel" -o pedido da Camargo Corrêa, deferido, para fazer Jirau a 13 km do local previsto na licença.
Tudo isso porque o licenciamento começa onde deveria terminar: na decisão de fazer dada obra em dado local. A avaliação ambiental estratégica, que deveria dizer se o local comporta, por exemplo, fluxos migratórios como o que se viu em Jirau e Santo Antônio, passa longe da cabeça dos eletrocratas.
O incêndio de Jirau também deveria acender a luz amarela sobre o plano de seis usinas no rio Tapajós, uma das regiões mais preservadas da Amazônia.
A Eletrobras insiste na ideia de "usinas-plataforma": dezenas de milhares de trabalhadores seriam instalados num canteiro de obras no meio da selva para serem desmobilizados e levados para longe depois. O plano tem tudo para acabar em fumaça.

FSP, 23/03/2011, Mercado, p. B6

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mercado/me2303201115.htm

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.