VOLTAR

Dúvidas hídricas

FSP, Editoriais, p. A2
02 de abr de 2014

Dúvidas hídricas

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), enfim esclareceu um aspecto dos mais relevantes na atual tentativa de evitar racionamento de água: seu custo para os cofres públicos. Serão R$ 800 milhões caso o programa de bônus se estenda até o final do ano.
Inicialmente destinada aos 9 milhões de usuários do sistema Cantareira, a campanha foi ampliada nesta semana para os 31 municípios da Grande São Paulo, incluindo a capital, alcançando 17 milhões de pessoas. Quem reduzir o consumo de água em pelo menos 20% terá desconto de 30% na conta.
Além dessa diminuição de arrecadação da Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo), há gastos com obras emergenciais, como a construção de estruturas para captar água das partes mais profundas das represas --o chamado volume morto.
O impacto total das medidas deve ficar perto de R$ 1 bilhão, ou cerca de 9% da receita anual da Sabesp. Com isso, a estatal suspenderá R$ 700 milhões de seu plano de investimentos de 2014, o equivalente a pouco mais de 25% do montante previsto para essa finalidade.
Não se sabe, no entanto, de que maneira será feito o contingenciamento. Pela dotação inicial, a Sabesp esperava investir R$ 1,642 bilhão em tratamento e coleta de esgoto e outros R$ 981 milhões em abastecimento de água. Como as rubricas serão prejudicadas?
Essa não é a única pergunta que continua sem resposta. As mais relevantes delas dizem respeito aos motivos que levaram o governo Geraldo Alckmin a não adotar o racionamento de água e às consequências futuras dessa opção.
Desde que a crise hídrica se mostrou incontornável, especialistas têm afirmado que o mais prudente seria implementar pelo menos um racionamento moderado, a fim de evitar danos de longo prazo.
Por razões eleitorais --e tudo o mais sugere que apenas por elas--, o tucano prefere não pôr em prática tal medida, decerto impopular. Conta com a volta das chuvas a partir de outubro, um evento incerto, e arrisca deixar parte da Grande São Paulo na mais pura seca.
Nos últimos dois meses, as reservas do Cantareira caíram de 22,4% --no que já era seu menor nível em 39 anos-- para 13,4%.
Sem trocadilho, o tempo dirá se, por trás das escolhas de Alckmin nessa crise, há alguma dose de responsabilidade.

FSP, 02/04/2014, Editoriais, p. A2

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/159297-duvidas-hidricas.shtml

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.