VOLTAR

Desordem urbana

FSP, Editoriais, p.A2
29 de jun de 2004

DESORDEM URBANA
É um escândalo que o poder público continue assistindo inerte ao preocupante avanço da ocupação ilegal de áreas da região metropolitana de São Paulo. Não se trata apenas da situação inaceitável a que já se chegou nas regiões de mananciais. A expansão selvagem e predatória ocorre em diversos pontos, notadamente nas periferias.
Reportagem publicada por esta Folha no domingo trouxe o caso do Jardim Paraná, um bairro pobre irregular que há dez anos começou a se formar na região da serra da Cantareira. Em 1994, eram cerca de 200 famílias. Hoje, a associação de moradores estima que sejam 3.000. Por que nada se fez nesse período? A mata é destruída, os cursos d'água transformam-se em esgotos ao ar livre -e a presença do poder público é nula.
De acordo com o Centro de Estudos da Metrópole do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (CEM-Cebrap), o Jardim Paraná é um exemplo de como a "fronteira urbana" de São Paulo vem crescendo de maneira descontrolada em contraste com o restante da metrópole.
Enquanto na cidade o número de habitantes veio aumentando a uma taxa média de 0,9% ao ano de 1991 a 2000, nessas periferias da região metropolitana o ritmo de crescimento foi de 6,3%. Temos, portanto, duas cidades: uma, consolidada e estável; outra, miserável e precária, em anárquica expansão.
É paradoxal, diante desse quadro, que áreas urbanas já consolidadas, como bairros da região central, encontrem-se subutilizadas. Seria mais racional habitá-las a incentivar a ocupação das periferias, para lá levando projetos de moradia popular que, ademais, terão que pagar o preço da infra-estrutura inexistente.
Falta planejamento e falta coordenação. A administração da Grande São Paulo exige participação das diversas esferas de governo. É preciso que se avance nas políticas metropolitanas e que se rompa com essa danosa cumplicidade entre o poder público e a desordem urbana.

FSP, 29/06/2004, p. A2

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.