VOLTAR

Desmate sem trégua

FSP - https://www1.folha.uol.com.br/opiniao
28 de abr de 2020

Desmate sem trégua
Más notícias para o ambiente proliferam na pandemia, com contribuição do governo

Embora provisoriamente afastado do topo das preocupações nacionais, hoje voltadas à epidemia de Covid-19 e à crise política em Brasília, o desmatamento na região amazônica segue inclemente.
Dados do Inpe mostram que o primeiro trimestre registrou aumento alarmante de 51% de alertas de destruição florestal, na comparação com o mesmo período de 2019. Até 31 de março, foram devastados 796 km² de mata, ante 526 km² nos três primeiros meses de 2019. Como bem resumiu o pesquisador Paulo Moutinho, do Ipam, desmatador não faz home office.
Se for contabilizado o desflorestamento acumulado desde agosto, período de referência para o cálculo da taxa anual, o quadro é ainda mais grave. São 5.260 km² de área devastada, ante 2.661 km² no mesmo período de 2018 e 2019, crescimento de quase 100%.
O aumento do desmate traz ainda um prenúncio alarmante. Quando a estação seca chegar à Amazônia, em meados do ano, as árvores abatidas se tornarão combustível para as queimadas. Esse foi o principal fator por trás da temporada de fogo de 2019, uma das mais severas da última década.
Com uma calamidade sanitária em curso no país, surge outro risco: o alastramento do novo coronavírus entre povos indígenas. Em São Gabriel da Cachoeira (AM), porta de entrada de uma área onde habitam dezenas de etnias, já há casos confirmados da doença.
A ameaça do Sars-Cov-2 na Amazônia levou o Ministério Público Federal a requerer na Justiça que Ibama, ICMBio e Funai estabeleçam bases fixas nos locais onde mais ocorrem crimes ambientais na região, a fim de coibir invasores.
A situação tampouco é melhor em outros biomas. As poucas áreas de mata atlântica restantes na cidade de São Paulo vêm sendo devastadas pelo crime organizado para loteamentos clandestinos.
Relatório preparado pelo vereador Gilberto Natalini (PV) identificou 160 pontos de desmatamento na capital, a maioria na região das represas, totalizando 7,2 km².
Fazendo par com o aumento da destruição vem a intenção de anistiar crimes já cometidos. Despacho recente do Ministério do Meio Ambiente reconheceu como áreas consolidadas aquelas de preservação permanente (APPs) desmatadas e ocupadas até julho de 2008.
Trata-se de decisão contrária a lei da mata atlântica, que exclui essa possibilidade, determinando que as APPs devem ser todas regeneradas -e constitui sinal inequívoco de que, a salvo de qualquer crise, segue sem quarentena a máquina antiambiental do governo.
editoriais@grupofolha.com.br

https://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2020/04/desmate-sem-tregua.shtml

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.