VOLTAR

Crise do clima precede guinada cultural

FSP, Ciência, p. A31
Autor: ANGELO, Claudio
06 de mai de 2007

Crise do clima precede guinada cultural
Humanidade terá de alterar seu estilo de vida e seus padrões de consumo, diz presidente de painel das Nações Unidas
Indiano Rajendra Pachauri critica consumo de carne em encontro; para cientista da África, mudança de hábito não exigirá muito "sacrifício"

Claudio Angelo
Enviado especial a Bancoc

Pela primeira vez, o IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas) reconheceu que fatores meramente culturais têm um impacto imenso no clima. Ações individuais que não trazem prejuízo e podem até fazer bem -como andar a pé- podem dar grande contribuição para superar a crise do clima. Por que não, também, trocar o carro pelo metrô?
Ao apresentar anteontem em Bancoc, na Tailândia, o novo relatório do IPCC sobre o combate às emissões de gases do efeito estufa, Rajendra Pachauri, presidente do painel, destacou a importância da dimensão cultural. "A humanidade precisa olhar para seu estilo de vida e seus padrões de consumo." Ele citou o exemplo do ex-presidente americano Jimmy Carter, que decidiu abaixar o termostato de sua casa no inverno e usar cardigãs nos anos 1970.
O ex-premiê japonês Junichiro Koizumi, quando estava no poder, também aboliu o uso de gravata nas repartições públicas, para dispensar o "energético" ar-condicionado.
"Todo mundo aqui pode usar cardigã sem sacrificar seu conforto", concluiu Pachauri.
Para o coordenador do Grupo de Trabalho 3 do IPCC, o engenheiro Ogunlade Davidson, professor da Universidade de Serra Leoa, na África, alterar hábitos no dia-a-dia "não é um sacrifício, é só uma mudança".
Para ele, é perfeitamente possível ter um bom estilo de vida sem contribuir muito para a emissão de gases que agravam o efeito estufa.
O IPCC também mostra que, de longe, o maior potencial de mitigação está em construções comerciais e residenciais.
Bons resultados de eficiência energética, por exemplo, podem ser obtidos com a troca de lâmpadas incandescentes por lâmpadas fluorescentes.
A mudança no design de prédios, para aproveitar melhor a luz solar (nos países frios) ou dispensar o uso de ar-condicionado (nos quentes), é um outro caminho que deve ser seguido, segundo o painel da ONU.
Resolver os problemas de casas e prédios, porém, de nada adianta se não houver mudança na geração de energia. O uso de biocombustíveis no setor de transportes e a redução do desmatamento, duas coisas que o Brasil já vem fazendo, também são elencadas pelo IPCC como contribuições importantes. Apesar de reclamações de alguns países, a energia nuclear aparece, pela primeira vez em um relatório do IPCC, como uma opção de mitigação. O problema dela, dizem os críticos, é o lixo tóxico que é gerado.

Sem panacéia
"Seria ingênuo acreditar que tecnologias recém-desenvolvidas em laboratórios são parte da solução", disse Rajendra Pachauri, numa crítica velada aos EUA -que alegam que seus investimentos em pesquisas tecnológicas são a melhor arma contra o aquecimento.
"Tecnologias precisam fazer parte de um pacote de políticas públicas", disse.
Pachauri, durante a apresentação do relatório sobre mitigação do aquecimento global também não perdeu a oportunidade de dar um recado pessoal, como ele fez questão de frisar aos presentes.
"Se as pessoas comessem menos carne, provavelmente ficariam mais sadias e, ao mesmo tempo, contribuiriam para reduzir as emissões geradas pela criação do gado", afirmou.
Segundo o presidente do IPCC, produzir carne, transportá-la, conservá-la em frigoríficos e depois fazer a distribuição contribui com o aquecimento global. Estimativas mostram que um quilo de carne na casa do consumidor corresponde a 3,7 quilos de carbono emitido.
Mas não é agora que os vegetarianos vão se tornar, da noite para o dia, os paladinos do clima. O próprio IPCC aponta o metano que emana das plantações de arroz, por exemplo, como uma das maiores fontes de emissões da agropecuária.
Comparativamente, o motorista que usa seu carro 1.0, com motor a gasolina, durante 50 km por dia durante um ano, vai emitir quase 3.000 quilos de carbono, o equivalente a mais ou menos à quantidade de 800 quilos de carne bovina.

Com agências internacionais

Europa quer que G8 dê início a debate sobre acordo do clima

Da redação

Com o mundo agora sabendo das previsões dos cientistas do IPCC, o painel do clima da ONU, é hora de agir rápido, afirma Stavros Dimas, comissário europeu para o Meio Ambiente. E, neste ano, haverá dois momentos importantes, segundo o dirigente, para que um novo pacto pelo bem do clima do planeta seja feito.
"Negociações sobre um novo acordo climático internacional devem ser lançadas na próxima conferência da ONU, em dezembro, em Bali (Indonésia)", declarou Dimas.
"É hora de o resto da comunidade internacional nos seguir e se comprometer com objetivos ambiciosos de redução de emissões de gases de efeito-estufa", acrescentou.
A União Européia é responsável por 14% das emissões globais. O bloco se comprometeu a reduzir as emissões de dióxido de carbono em 20% até 2020.
Para o dirigente europeu, o resultado da reunião em Bali será decidido muito antes, em junho, no próximo encontro do G8 -grupo dos oito países mais ricos do mundo mais a Rússia, que será na Alemanha.
Se os chefes dessas nações não iniciarem um acordo, comentou Dimas, será "hipócrita" achar que isso vai ocorrer em Bali. De acordo com os resultados do IPCC, os próximos 20 anos serão cruciais para o mundo colocar em prática medidas contra a crise do clima.

FSP, 06/05/2007, Ciência, p. A31

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.