VOLTAR

Coleção de árvores

FSP, Mais, p. 9
Autor: LEITE, Marcelo
06 de jul de 2008

Coleção de árvores
A Amazônia é uma coleção de campinaranas, capoeiras, matas de igapó, florestas densas

Marcelo Leite

Na ofensiva contra a mata, os índios e os estrangeiros, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, deve achar que é marechal. Mas foi o recém-chegado Roberto Mangabeira Unger, seu colega de Assuntos Estratégicos, quem formulou a tática depreciativa de chamar a Amazônia de "coleção de árvores".
Bons oradores (afora alguma limitação de prosódia) e amantes do paradoxo, os ministros usaram a expressão para valorizar a Amazônia ao mesmo tempo em que desvalorizam a floresta. Argumentam que mais de 20 milhões de pessoas vivem lá. Descobriram a pólvora. Mais que isso: toda a sua logística está voltada para entregá-la aos arrozeiros, madeireiros, grileiros, usineiros e sojeiros. O chefe de gabinete de Lula, Gilberto Carvalho, foi bem claro à revista "Veja": "Ele acha importante a preservação, mas, entre um cerradinho e a soja, ele é soja".
Lamento dizer que os ministros de Lula têm razão. A Amazônia é muito mais que uma coleção de árvores. Também é mais que uma coleção de hidrelétricas, mais que uma coleção de governadores e mais que uma coleção de votos.
A Amazônia é uma coleção de ambientes. Tem grandes áreas de campos naturais e de cerrado, que Lula e seu ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, prefeririam ver cobertos de soja, capim e cana.
A Amazônia é uma coleção de campinaranas, capoeiras, matas de igapó, florestas densas e florestas abertas. Cada um desses ambientes constitui uma coleção única de plantas.
Em matéria de vegetais, a Amazônia tem a maior coleção do planeta. Não em número de árvores individuais, provavelmente, porque as florestas boreais do hemisfério Norte, conhecidas como taiga, são mais extensas. Em quantidade de espécies de plantas, porém, a Amazônia é uma coleção sem rival: 40 mil, estima-se. Vale dizer, uns 13% do total do planeta.
A Amazônia é uma coleção de espécies peixes de água doce: entre 3.000 e 9.000 (quase um terço dos que existem na Terra). Uma coleção de borboletas: 1.800 (24%). Uma coleção de aves: 1.300 (13%). Uma coleção de abelhas: 2.500 a 3.000 (10%).
A Amazônia é uma coleção de gentes: 180 aikanãs, 94 ajurus, 6 akunsus, 192 amanaiés, 87 amondawas, 182 anambés, 317 aparais, 278 apolimas-araras, 3.256 apurinãs, 569 arapaços, 271 araras-ukaramãs, 332 araras-shawanawas, 339 arauetés, 29 aricapus, 69 aruás, 969 ashaninkas, 384 asurinis do Tocantins e 124 asurinis do Xingu. Isso na letra A, de Amazônia.
Na Z, há 177 zo'és e 144 zuruahãs. Só esses povos de A e de Z falam uma coleção de famílias lingüísticas: aikanã, tupari, tupi-guarani, karib, aruak, tukano, pano, jabuti e mondé. Os dados são do Instituto Socioambiental.
A Amazônia é uma coleção de culturas. Só a ignorância pode enxergar ali uma coleção de índios aculturados reconvertidos em nações originais por uma coleção de organizações multiculturalistas.
A Amazônia é também uma coleção de terras indígenas: ali estão 99% de mais de 1 milhão de quilômetros quadrados em quase 600 áreas identificadas, demarcadas ou homologadas. Isso dá uns 13% do Brasil, que a frente ofensiva não quer ver nas mãos de apenas 480 mil índios. Grandes latifundiários, já se vê, com seus 200 hectares por pessoa de uma terra que, na verdade, pertence à União e da qual eles só têm o usufruto.
É essa a maior ameaça à integridade nacional que os militares e seus comandantes reais ou imaginários conseguem detectar?

Marcelo Leite é autor de "Promessas do Genoma" (Editora da Unesp, 2007) e de "Brasil, Paisagens Naturais - Espaço, Sociedade e Biodiversidade nos Grandes Biomas Brasileiros" (Editora Ática, 2007). Blog: Ciência em Dia
cienciaemdia.folha.blog.uol.com.br.
E-mail: cienciaemdia.folha@uol.com.br

FSP, 06/07/2008, Mais, p. 9

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.