VOLTAR

Cartilha pede reação violenta a índios e ribeirinhos na região do rio Tapajós

Folha Online - www1.folha.uol.com.br
Autor: João Carlos Magalhães
15 de mai de 2010

Uma cartilha bancada por ONGs incentiva índios e ribeirinhos a resistir violentamente caso o governo federal implante um complexo de cinco hidrelétricas na bacia do rio Tapajós, entre Amazonas e Pará.

A publicação contém o desenho -segundo o crédito, feito por um adolescente- de um índio carregando a cabeça cortada de um homem branco e diálogos de histórias em quadrinhos que incentivam a luta contra a "Eletromorte" -uma referência à Eletronorte, subsidiária da Eletrobras na região.

Feita em janeiro deste ano, mas só lançada no último dia 1, a cartilha pretende elucidar as "verdades e mentiras sobre o projeto" e vem sendo distribuída para movimentos sociais e comunidades que devem atingidas pelas hidrelétricas.

Foram impressos 10 mil exemplares da cartilha (6.000 já distribuídos), ao custo de R$ 22 mil, segundo seu criador, o padre de Santarém (1.431 km de Belém) Edilberto Sena.

O dinheiro veio, entre outros meios, de um projeto com recursos da Ford Foundation gerenciado pela Fase (Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional), fundada por religiosos, e da Aliança Missionária Francisclariana.

A cartilha é feita de capítulos, como "O porquê de tantas hidrelétricas", nos quais o projeto é explicado e criticado.
Cada parágrafo é iniciado com a ilustração de uma marca de mão ensanguentada ou um círculo escorrendo sangue. Entre um capítulo e outro, aparecem histórias em quadrinhos, direcionadas a quem tem "menos estudo", disse Sena.

Em um delas, uma personagem índia conversa com uma religiosa, a "irmã Marisol", sobre as hidrelétricas.
"Preocupada" com as obras, a índia faz expressão de ódio e fala: "Mulher índia ajudar homem índio a flechar e cortar a cabeça de pariuat [branco] inimigo. Índia sabe usar facão. Nós não queremos hidrelétrica". A personagem da religiosa diz: "Olha, filha, se deixarmos eles soltos, a Eletronorte quer afogar terras dos índios."
Uma imagem de decapitação surge também no início da cartilha, em um desenho feito por dois meninos da etnia mundurucu, que estudam na 8ª série. Nos quadrinhos, peixes conversam temendo sua extinção.

Outra ilustração mostra o ex-ministro de Minas e Energia Edison Lobão como um lobo mau, que usa terno e gravata e afirma que não quer se "ajoelhar aos pés do Ibama para conseguir licença ambiental".

O padre Sena defendeu a cartilha e disse que a violência vem, na verdade, do governo. "Se um ladrão entra em sua casa e você acorda, defende sua propriedade e ele morre, quem cometeu o crime?", afirmou.

http://www1.folha.uol.com.br/folha/ambiente/ult10007u735634.shtml

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.